quarta-feira, 1 de abril de 2009

As aparências nunca enganam

Sempre ouvi dizer que as aparências enganam, e nunca concordei com isso.
Pensem bem, nós somos aquilo que nós somos. Nosso corpo é parte de nós e se ele 'é' parte do que somos, então como ele poderia ser diferentes do que somos?
Imaginem o que seria de um elefante num corpo de borboleta... Ele seria... uma borboleta!
Da mesma forma, o que seria de uma pessoa baixinha se ela fosse alta? Ela simplesmente seria outra pessoa, a própria essência do que a pessoa é seria outra, logo, ela seria outra pessoa e não ela mesmo.
Estou falando disso porque muita gente é descontente com a própria aparência e reclamam de sua falta de sorte, mas não percebem que elas estão insatisfeitas com o que elas 'são'. Porque essa é a verdade! Você é o que você aparenta ser!
Abra sua mente, mude seu paradigma, esqueça os esteriótipos. Você é especial, assim como você é, e pode ser muito bom de alguma forma. Afinal, você está no topo da cadeia alimentar e é um dos animais mais evoluídos que este planeta já concebeu.
Quem reclama da própria aparência nunca deve ter se perguntado porquê os elefantes são tão grandes e os ratos tão pequenos. Ou porquê os pavões tem aquelas caudas tão belas e coloridas e os hipopótamos têm tão poucos atrativos. E a conclusão é simples: necessidade!
Só temos de tomar o cuidado de analizar friamente da próxima vez em que 'conhecer' uma pessoa, para não julgar mal. Os detalhes dizem muito, talvez até mais do que o 'geral'.
Então fica a conclusão, as aparênncias enganam sim, mas apenas os mal observadores. Os atentos jamais se deixam enganar pelas aparências.
Postar um comentário